Para virar jacaré é #aketivernoposto

Share Button

As postagens sobre a vacina que bombam nas redes e fazem a cabeça dos mais jovens.

Por Daniela Salgado, Dirlan Júnior, Izabela Toscano e José Tarcísio Ribeiro

As cucas e os jacarés estão a todo o vapor! Com o avanço da vacinação contra a covid-19, principalmente entre os mais jovens, os memes e as críticas irreverentes sobre a imunização vêm como uma enxurrada na web. Nas redes sociais, algumas prefeituras do estado apostam alto nos posts que chamam atenção da denominada “geração Z” e têm trazido uma linguagem mais informal, regada a memes em suas publicações. 

Desde o início da vacinação no estado, uma das postagens com maior interação sobre a vacina dentre todas as prefeituras, é a de Vitória, brincando com a expressão “sommeliers da vacina”, aqueles que se recusam a tomar imunizantes de certos laboratórios. Com a hashtag #aketivernoposto, a publicação chama de “cringe” o tipo de pessoa que escolhe a vacina pela “marca”. A postagem obteve mais de 60 mil de alcance, mais de 9 mil likes e quase quatro mil compartilhamentos. A prefeitura também usou o “sabe de nada inocente”, meme clássico direcionado às pessoas que acham que já estão imunizadas com a primeira dose.

A gerente de mídia da prefeitura de Vitória, Poliana Lagares, relata que a ideia de usar esse tipo de linguagem tem o objetivo de alcançar os jovens: “Tínhamos a necessidade de alcançar mais pessoas – principalmente as mais jovens – com a divulgação dos agendamentos da vacinação. Acompanhando memes e tendências das redes sociais, alinhamos a nossa mensagem à linguagem dos jovens e, assim, surgiram as publicações sobre o sommelier das vacinas e o Vitória Poca”.

Rock e vacina

Para o subsecretário de jornalismo da Prefeitura de Vila Velha, Júnior Costa, a ideia de usar a estratégia da descontração é eficiente. O setor de comunicação promoveu uma campanha nas redes sociais para vacinar o público da faixa de 30 a 34 anos que fez bastante sucesso. No dia 13 de julho, data em que se comemora o Dia Mundial do Rock, o ginásio do Tartarugão em Coqueiral de Itaparica foi incendiado por músicas de rock ao vivo enquanto as pessoas se vacinavam. A postagem com o dialeto “capixabês” “bora pro rock se vacinar” teve a maior repercussão desde o início da campanha.  “As postagens são baseadas no alcance que precisamos atingir para informar os moradores da cidade sobre a importância de vacinar contra a COVID. Podem avaliar que para cada público uma estratégia é uma linguagem. Assim é a comunicação: dinâmica e interativa”, frisou Júnior Costa.

Adesão no interior

Não só na rota da Grande Vitória que prefeituras fazem sucesso com posts bem humorados sobre vacinas. A semana começou com a imunização do público a partir de 18 anos de idade. No interior, quem mais bombou nas redes foram duas prefeituras: Aracruz e Guaçuí. A equipe do “Universo Ufes” apurou que os dois municípios aumentaram de forma significativa o desempenho com memes em suas postagens no Instagram. Com o famoso viral Tá passada? adivinha??? que repercutiu nos últimos meses na web pelo humorista que se denomina “Esse Menino”, Aracruz conseguiu um aumento de desempenho de suas postagens em 22 vezes, em relação às últimas publicações.

Guaçuí se inspirou no mesmo meme, mas dessa vez utilizou o “tá no grau mami” para chamar a atenção do público mais jovem. Deu certo. A publicação aumentou em 95% as curtidas e em 86% os comentários em relação a postagem anterior no Instagram.

Polêmicas e muito humor

Nas contas locais do Instagram especializadas em humor, o tema vacina também é tendência. O post com a maior performance com o uso do termo “vacina”, nos últimos 30 dias é o de “capixabameme”, brincando com o sommelier da vacina. Para o administrador da página, que não quis se identificar, quanto mais polêmico o assunto, maior será a interação. “Hoje, as pessoas se orientam muito pelas redes sociais e se o assunto tiver repercussão, mais as pessoas terão interesse, que é o caso da vacina”, afirma.

A estratégia de usar memes no mundo digital não é à toa. Esse é um gênero textual muito popular e ganha espaço entre os internautas por ter uma linguagem informal. A jornalista, mestre em comunicação e pesquisadora do Labic/Ufes (Laboratório de Estudos Sobre Imagem e Cibercultura), Ana Paula Costa, explica: “Os memes representam um tipo de texto de situações comunicativas do cotidiano, mesclando elementos imagéticos a verbais, com um objetivo de gerar um sentido mais irônico e divertido. […] Então os memes conseguem passar uma determinada mensagem com mais leveza do que outros gêneros textuais”. 

Costa também atenta ao fato de que, sendo um texto bem acessível e de grande poder de compartilhamento, o meme pode gerar diferentes impactos na população: “O meme pode ter um impacto positivo ou um impacto negativo, de acordo com o propósito sociocomunicativo do enunciador, e de acordo com a capacidade interpretativa da audiência conectada.”

Além de ser um conteúdo de fácil adesão do público e ter alta capacidade de compartilhamento, outros fatores influenciaram a adoção desse tipo de linguagem pelos órgãos públicos. Agora o público alvo da vacinação é o jovem. De acordo com o IBGE, 85% das pessoas entre 18 e 24 anos de idade têm acesso à internet no Brasil. “O meme da internet possui uma linguagem que tem grande aderência ao público mais jovem, normalmente mais conectado à internet do que o público mais velho. Por essa razão, traz uma linguagem informacional que seduz e engaja os mais jovens.” aponta Costa. 

Os “jacarés” da Vacina

Em dimensões nacionais, as campanhas de vacinação ganham ainda mais adeptos entre os famosos que utilizam suas redes sociais para propagar os memes e apoiar a vacinação mostrando que já tomaram a primeira dose.

“Estou um jacaré bonito?”, essa é a indagação do ex-BBB Gil do Vigor no Facebook. Quem vê sabe que quem “vira jacaré” defende a vacina contra a covid-19. Isso, graças à polêmica declaração do Presidente da República no fim do ano passado, sobre o imunizante da Pfizer. A publicação teve o maior número de interações no último mês. A partir de uma análise de dados com a busca do termo “jacaré”, o post chegou a ter cerca de 72 mil reações, mais de 3 mil comentários e 188 compartilhamentos, além de ser a segunda postagem com o maior desempenho na conta do economista.

Outros termos de busca nas redes sociais relacionados à vacinação viralizaram desde o início da campanha. A página oficial do Instituto Butantan, que produz a vacina CoronaVac, teve a maior repercussão em sua conta no Instagram com a viralização do “Vacina Bum bum tam tam“, hit com nova roupagem do funkeiro Mc Fioti. A publicação aumentou o acesso em 30 vezes em relação às outras postagens do Instituto, o que ajudou a repercutir a eficácia do imunizante. 

Em meio a memes e postagens na internet, o importante é se vacinar. Já estão abertos os cadastramentos para vacinação de pessoas com 25 anos ou mais em vários municípios do Espírito Santo. Para realizar agendamentos e saber mais sobre  a vacinação contra covid-19 acesse https://www.vacinaeconfia.es.gov.br/cidadao/. O cadastro também pode ser feito pelo site de vacinação próprio de cada cidade.

Deixe um comentário