Share Button

A tecnologia das redes sociais auxilia famílias e amigos a manter o relacionamento mesmo à distância.

Reportagem: Isadora Wandenkolk e Sara de Oliveira

São inúmeras as vantagens que a internet e seus aplicativos trouxeram para os relacionamentos humanos. As redes sociais ultrapassam as barreiras geográficas e permitem que pessoas de todo o mundo se comuniquem no conforto de suas casas. A facilidade de conhecer e se conectar a pessoas novas com apenas um clique fez com que o relacionamento virtual se tornasse uma opção para milhares de pessoas. O que, inúmeras vezes, torna a tecnologia uma dor de cabeça.  

Mas nem só de Tinder se fazem os relacionamentos na internet. As redes sociais também revolucionaram a convivência a distância, que ocorrem quando, por algum motivo, uma das partes precisa se deslocar geograficamente. Algumas pessoas têm suas vidas mudadas de forma repentina, por isso se relacionar virtualmente com amigos e familiares é a única opção. É o caso da estudante Laira Tonon que, no ano passado, precisou passar a morar em Viçosa (MG) para estudar Medicina. Para a estudante, o primeiro ano em outro estado, longe da família e dos amigos, foi o mais difícil de lidar. Ela superou a distância por meio das redes sociais. “Logo que vim para cá, um ano atrás, eu conversava por vídeo quase todo dia com meus pais e amigos. Além de ser possível ver a família, também dá para ver o ambiente, o que traz uma sensação de estar em casa mesmo, sabe?”, conta.

A estudante de medicina Laira Tonon com os pais Daise, Sandro e o irmão Luan Tonon.

A desenvolvedora de sistemas Bianca Gonçalves também sabe o que é viver longe da família. Os pais se mudaram para o Japão há um ano. A melhor forma de se comunicar com eles é pela internet. “Eu sempre tenho a sensação de que eles são presentes em minha vida devido às interações pelas redes. Os dispositivos digitais ajudam pelo fato de reduzirem meu tempo de espera pelas respostas deles”, explica.

Para Bianca, alguns pontos que atrapalham o relacionamento com os pais são o fuso horário e a rotina intensa. Segundo ela, as conversas com a família não acontecem de forma programada, mas de acordo com a disponibilidade e necessidade. “O fator negativo que mais me incomoda é a impessoalidade. Por ser um contato virtual, eu não sinto estímulo para interagir por longos períodos de tempo. Às vezes não há necessidade de o contato ser por vídeo ou de dedicar totalmente a minha atenção à pessoa”, declara.

Bianca (segunda à esquerda) organiza as conversas com a família de acordo com a disponibilidade.

Já a publicitária Mariana Simões, de Vitória, utiliza as vantagens da internet para manter o relacionamento com a namorada, que mora e estuda em Belo Horizonte. Ela explicou que as duas costumam conversar por telefone diariamente, mas o contato mais frequente é pelas redes sociais. “A gente se marca em memes o dia todo, compartilha notícias, coisas interessantes, fofocas, enfim…Às vezes acontece alguma coisa, a gente vê algo bonito ou então só quer contar uma novidade. Eu tenho plena certeza que as redes sociais facilitam muito a nossa relação”, pontua.

Além de possibilitar a aproximação virtual, Mariana disse que os meios digitais auxiliam na logística do relacionamento e nos encontros pessoais, que costumam acontecer uma vez por mês. “Com a rede social, eu fico acompanhando página de promoção de passagem, então eu sou notificada com muita rapidez quando tem uma passagem barata e isso também facilita, né, porque eu aproveito a oportunidade e já compro pra poder passar um final de semana lá”,  enfatiza.

Mariana e a namorada se comunicam pela internet todos os dias.