Vegetariana por três semanas

Share Button

Christal Rios –  Se você é daquelas pessoas que nunca imaginou ficar um bom tempo sem comer carne e se faz perguntas do tipo “como você é feliz assim?” para seus amigos vegetarianos, bem vindos ao meu clube. Pois é, em uma experiência para tentar entender como é esse mundo sem as maravilhas do bacon, churrasco e afins passei três semanas sendo vegetariana.

Vale destacar que a experiência foi v-e-g-e-t-a-r-i-a-n-a e não vegana, não quis ser mais radical pois sabia que precisaria de ajuda e informação de como suplementar os alimentos que eu já costumo comer. Me conhecendo bem, não conseguiria ficar sem comer nada de origem animal nem por dois dias e nem saberia como meu corpo ia reagir a uma mudança tão grande. Assim relatei algumas curiosidades:

  • Ser vegetariano não significa ser saudável!

Na minha primeira semana, ficou bem claro que o vegetarianismo e a alimentação saudável não andam necessariamente juntos. Como meu principal objetivo era vivenciar uma dieta sem carne e não uma reeducação alimentar totalmente saudável, eu comi várias porcarias. Um alô para todos os chocolates, pães, batatas fritas, pastelzinho e macarrão que eu coloquei pra dentro (ah, muuuuito queijo).

  • Criatividade

Ser criativo numa situação  como essa é uma dádiva e pra mim foi uma das coisas mais difíceis. Com a empolgação da primeira semana eu até me arrisquei pesquisando algumas receitas na Internet, mas como sou uma negação no assunto cozinha, omelete de todos os tipos e muita salada era o máximo que dava para fazer, eu não conseguia fugir muito desse padrão. Ou seja, minha imensa criatividade foi comer sempre da mesma coisa.

Falando nisso o ovo esteve presente em quase todas as minhas refeições, ovo de codorna, mexido, frito, cozido. Simplesmente só imaginava meus pratos com ovo. Acredito que isso deve acontecer muito com os ovolactovegetarianos de primeira viagem, como eu fui, além de ser barato era muito prático e rápido e eu conseguia encaixar em quase todo tipo de refeição.

            Como podemos ver a criatividade não foi o meu forte

         Como podemos ver a criatividade não foi o meu forte
  • Restaurantes

Comer em restaurante era uma benção e uma tortura ao mesmo tempo. Ótimo porque hoje em dia os restaurantes estão com muitas opções vegetarianas (e que provavelmente eu não saberia fazer), e a tortura era ver e cheirar todo tipo de carne vermelha, frango e peixe na minha frente e tinha que fazer de conta que eu não era nem um pouco apaixonada por eles. A sensação de passar por eles sem colocar nem um pedacinho no prato foi realmente uma vitória, saí muito orgulhosa de mim mesma.

 Nunca pensei comer chuchu com ovo em um restaurante

      Nunca pensei comer chuchu com ovo em um restaurante
  • Seus amigos carnívoros nunca vão te entender

A mais pura verdade. Confesso que três semanas atrás eu era esse amigo que não entendia o porque de alguém não comer carne e achava muita frescura da pessoa que tem esse lifestyle. Exemplo de uma situação que passei foi na minha segunda semana, quando rolou uma festinha de aniversário no meu trabalho com torta, salgado, bolo e tudo o que tinha direito. Eu queria morrer ou sair correndo pra bem longe naquela hora, mas era uma situação que não dava para evitar. Nunca comi tanto bolo na vida. E nunca escutei tanto a frase “para de frescura, menina, come isso logo”. Ou seja, 99% das vezes você não será lembrado em festas desse tipo.

  • Por incrível que pareça, economizei um pouco de dinheiro

Lógico que não foi muita coisa, mas nesse tempo deu para sobrar um dinheirinho a mais. Como trabalho em um shopping, as opções vegetarianas são bem pequenas e com preços absurdos, logo decidi que não ia dar para comer fora todos os dias e teria que levar algo de casa ou passar fome (drama). Meu lanche foi durante vários dias bolacha e requeijão, que por sinal só de lembrar já fico enjoada, mas apesar disso consumi muito mais frutas e legumes do que eu estava acostumada.

Além disso, passei mais tempo em casa. Neguei a maioria dos convites de churrasco e saídas para comer com meus amigos, pois no fundo eu sabia que era melhor não ficar perto da tentação

  • O que pude concluir com tudo isso

Os brasileiros em geral comem carne praticamente todos os dias. Se tornar vegetariana é um processo bastante delicado, mas nada perto do impossível e que precisa sim de orientação. Não me senti fraca, anêmica ou indisposta, como muitos dizem por aí, pelo contrário me sentia bem em experimentar novos sabores e por muitas vezes me senti mais leve, porém sei que em muitas vezes exagerava na fritura.

Os primeiros dias foram difíceis, mas depois se tornou um hábito. Independente dos motivos que levam as pessoas a se tornarem vegetarianas, é ótimo descobrir o que nos faz bem.

A todos os vegetarianos, meu total respeito e admiração, mas minha decisão de não comer carne foi apenas experimental. Quem sabe um dia eu volte a ficar  sem comer, mas agora só consigo pensar no próximo churrasco.

Deixe um comentário