TRABALHO REMOTO: UMA TENDÊNCIA QUE TEM CRESCIDO NO BRASIL NOS ÚLTIMOS ANOS

Share Button

Por ser uma tendência recente, o trabalho a distância ainda divide opiniões entre usuários e pesquisadores.

Isabella de Paula





Os processos acelerados das sociedades contemporâneas transformaram significativamente as dinâmicas de trabalho. Expressões como home office, teletrabalho e coworking tem feito parte, não apenas do vocabulário de muitos brasileiros, mas também da rotina profissional. Você já ouviu falar do termo trabalho remoto?
Trabalhar remotamente significa trabalho a distância. Ao contrário do que muitos pensam, não significa trabalhar apenas em casa, que é a alternativa mais utilizada ainda, mas sim em um ambiente onde a pessoa se sinta mais produtiva.
Pode ser em uma cafeteria, na própria residência, no local de trabalho tradicional ou nos famosos coworkings, que são espaços compartilhados nos quais profissionais de qualquer área podem alugar salas, a um custo acessível, e exercer suas atividades profissionais seja individual ou coletivamente.

Infográfico elaborado por Isabella de Paula

Apesar de ser uma tendência mundial, muitas empresas ainda se sentem inseguras de aderir ao sistema do trabalho remoto. É o que mostra a pesquisa realizada pelas empresas Convenia e Ahgora com mais de 1000 funcionários de diferentes organizações brasileiras que atuam nas áreas de gestão de pessoas, controladoria, contabilidade e administrativo financeiro.

No levantamento, a pesquisa indicou que 63,5% das empresas do Brasil ainda não possuem política de trabalho remoto e 53,2% tem a cultura da empresa como o principal obstáculo.


Foto: nestcwk / Instagram

Para Flávia Couto, socióloga e pesquisadora na área de educação, a revolução do trabalho ainda está no início e por isso há uma dificuldade em prever as reais mudanças que atividades como o trabalho remoto podem trazer à sociedade.

“É um assunto muito interessante e passível de discussão, principalmente depois da explosão dos locais de trabalho que fogem desse corporativismo. Aos poucos, essa tendência mudará as relações sociais e de trabalho, mas acredito que ainda está cedo para notarmos essas diferenças”, afirmou Flávia.

A pesquisadora enfatizou que essa nova maneira de trabalhar pode trazer consequências positivas e negativas para a sociedade.

“Nos últimos 5 anos, houve um crescimento significativo de espaços de coworking e isso pode ser positivo para as pessoas, futuramente. Lógico que isso dependerá da relação do trabalhador com a empresa na qual atua ”.

Outra questão levantada pela socióloga foi a relação econômica e política que influencia nessa inovação social.

“Não podemos esquecer que o neoliberalismo, essa ideia de empreendedorismo e liberdade tão pregada hoje, está ligada à essa noção de trabalho remoto e isso também deve ser analisado.”, finalizou.

Foto: cwklinhares / Instagram

Por ser uma ideia recente, o trabalho a distância ainda divide opiniões. Exemplo disso é o engenheiro ambiental Alysson Buraslan, que utiliza um espaço de coworking há 7 meses e relatou um pouco de sua experiência com a atividade remota.

“Eu precisava de um espaço para desenvolver minha empresa de consultoria em meio ambiente e eu tinha um escritório alugado que me custava muito caro devido a aluguéis altos e outras despesas, então eu resolvi fechar o espaço e trabalhar em casa, só que trabalhar de home oficce é um pouco complicado, tem seus prós e contras. Por intermédio de conversas com amigos, eu descobri o coworking, que tem sido muito útil no desenvolvimento da minha empresa”, explicou ele.

O engenheiro destacou que, além de ter aumentado sua produtividade, o coworking possibilitou uma interação profissional com outras áreas de mercado. “Além de me sentir mais produtivo, eu conheci outras pessoas da minha área, mas também empreendedores de moda, publicitários e até empresários que fornecem serviços financeiros”.


Foto: 4workcoworking / instagram

Em contrapartida, a estudante universitária Luísa Barros também utilizou um espaço compartilhado para criar sua marca de produtos artesanais, contudo não sentiu uma maior produtividade. “Eu aluguei uma cabine em um coworking de um shopping uma vez para elaborar minha marca, já que em casa eu tinha diversas distrações, mas não senti uma diferença tão grande como eu imaginei quando me indicaram”, admitiu a universitária.

Segundo ela, a experiência é muito pessoal e depende da força de vontade e dedicação do profissional. “Para mim, não funcionou. Mas tenho amigos que utilizam mais de uma vez por semana e dizem que é muito bom”. Entre muitas discussões sobre prós e contras, uma coisa é certa: há uma necessidade de empresas por uma maior produtividade e qualidade nos serviços prestados e o trabalho a distância tem se mostrado como uma alternativa geradora de bons resultados e tem diminuído custos, motivos suficientes que levam muitas organizações a aderirem a ideia. Seria o fim gradual de espaços tradicionais de trabalho? Todos os profissionais têm segurança e disciplina para trabalhar a distância? São algumas das questões que levantam dúvidas e demandam um acompanhamento da prática por parte de usuários, pesquisadores e donos de empresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *