Gazeta Online comemora 22 anos no ar

Share Button

cid-4986829

Gazetaonline completa 22 anos

Uma das principais dificuldades no início do website foi quanto à decodificação das informações do sistema do jornal impresso para a linguagem do hipertexto

Por Lydia Lourenço

No dia 23 de maio, o Gazeta Online completa 22 anos de sua criação. O site de notícias que é vinculado à Rede Gazeta de Comunicação  surgiu em resposta à velocidade na circulação das informações ocasionada pela chegada da internet no Brasil. Porém, no decorrer das mais de duas décadas no ar, sofreu muitas alterações em sua forma e conteúdo.

Assim como outros jornais , as primeiras edições eram apenas transposições  da versão impressa devido ao processo de adaptação à nova mídia. Durante o projeto inicial,o portal enfrentou algumas dificuldades visto que a importação dos conteúdos do sistema do jornal impresso (C-Text) para o sistema da internet (HTML), era novo para os jornalistas envolvidos no desenvolvimento. Além da linguagem, outro fator importante era a preocupação em deixar o site interessante para o leitor internauta, que, por sua vez, tem um perfil diferente do leitor do jornal impresso.

As edições da versão do jornal para a web eram publicadas durante a madrugada, o que, de certo modo, se tornava um atrativo para quem quisesse ficar a par das últimas notícias sem precisar adquirir o exemplar de papel, além de ser uma ponte entre os capixabas que moravam fora do país com o que estava acontecendo no estado. Um dos líderes da equipe de criação, Fernando Kunsch, lembra que uma das estratégias para selecionar os  tipos de notícias para o site era evitar matérias policialescas,“por acharmos não serem de interesse do público da internet”.

Na época, Fernando era repórter de política de A Gazeta e foi escolhido pelo então editor Ariovaldo Bonas como um dos desenvolvedores do projeto, pelo seu perfil cosmopolita e sua fluência em inglês. Apesar de sua inexperiência com a internet aceitou o desafio. O jornal bancou visitas aos sites como o Zero Hora, no Rio Grande do Sul, ao Jornal do Brasil, no Rio de Janeiro e à Folha  de São Paulo, na capital paulista para um aperfeiçoamento das técnicas envolvidas no processo de criação do website capixaba.

Conforme a equipe dominava as novas ferramentas e as tecnologias avançaram foi possível inserir a versão impressa na íntegra, além da publicação de conteúdos de outros canais como a rádio CBN,e posteriormente exclusivos do próprio site. Durante a consolidação do formato no estado e o melhor domínio do público à era digital, a participação dos leitores foi se tornando importante para a construção das matérias do Gazeta Online. “A interatividade com o público foi ficando mais intensa, com sugestões de conteúdos, coberturas e entretenimento, além do início de coberturas multimídia de eventos, como o Vital (carnaval fora de época que acontecia em Vitória), que era ao vivo, e até mesmo  de eventos internacionais”, conta Kunsch. Ele se diz orgulhoso de ter realizado durante três anos a cobertura multimídia, para o Gazeta Online, CBN e jornal A Gazeta, do Festival Internacional Beatles, em Liverpool acompanhando a banda capixaba Clube Big Beatles.

A convergência midiática ainda é um grande desafio do jornalismo contemporâneo, sobretudo em um período de redução das equipes nas redações e de disseminação instantânea dos fatos. Entretanto,o jornalismo multimídia é mais incentivado  do que na geração dos jornalistas do anos 90, apesar de também enfrentar desafios. “Na minha geração era mais difícil, mas hoje o aluno já sai da faculdade ciente dessas exigências do mercado. Uma grande questão é se manter à frente das  tendências tecnológicas , além do risco de embarcar ou disseminar fake news”, afirma Fernando.

O Jornalista Gilberto Medeiros,que também foi convidado para compor a equipe criadora mas recusou a proposta, participando apenas dos estudos iniciais do projeto, acompanhou de perto a trajetória do webjornalismo no estado. Ele é autor do livro “Últimas Notícias: Histórias do webjornalismo no século 20” no qual retrata experiências de jornalistas envolvidos na criação do Gazeta Online e debate questões do jornalismo eletrônico, ele afirma que não se arrepende de não ter feito parte do projeto pois teve grandes oportunidades depois, que o lançaram para o mercado nacional.

Muita coisa mudou desde os primórdios do jornalismo online até às plataformas  contemporâneas desse tipo de jornalismo. O webjornalismo passou a ser autônomo e não mais apenas um compilado de conteúdo produzido por outras mídias . Para Medeiros isso se deu devido a participação efetiva dos internautas , a exemplo do próprio Gazeta Online que passou a ter uma identidade própria e dinâmica, com envio de informações e registros do público, além de comentários , que torna o webjornalismo mais interativo.

RELATOS DO WEB JORNALISMO

“A principal problemática do webjornalismo é que em função do imediatismo se deixa de lado a apuração, a matéria fica rasa e em muitos casos parece um amontoado de informações e não um texto jornalístico” – Gilberto Medeiros  

Hoje o Gazeta Online nem se compara ao que  já foi um dia. No início o site era composto por páginas estáticas com alguns links das matérias. No máximo uma ou duas fotos para ilustrar, mas como eu disse,  dava muito trabalho. Aos poucos foram sendo incorporados canais e conteúdos exclusivos, independente do conteúdo do jornal, o que foi tornando o site mais dinâmico e com cara de portal ” – Fernando Kunsch

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *