Share Button

Dan Zanotti, Karen Vieira e Rayanne Matiazzi – Um atleta que praticamente não dá muitos autógrafos, não tira muitas fotos, muito menos participa de coletivas, encara jornalistas ou perseguição de fãs é um mero iniciante no esporte, correto? Não. Na verdade esta é a realidade de um recém tricampeão mundial e penta campeão estadual de Futevôlei pelo Espírito Santo, o Rodrigo Lopes Pereira – mais conhecido nacional e internacionalmente como Rodrigo Lacraia.

Rodrigo Lacraia se consagrou tricampeão mundial e os seus próprios vizinhos não sabem. Crédito: Karen Vieira

Rodrigo Lacraia se consagrou tricampeão mundial e os seus próprios vizinhos não sabem. Crédito: Karen Vieira

Lacraia é simplesmente ícone do Futevôlei, uma espécie de Futebol de areia misturado com Vôlei de praia. Em seu currículo constam também os títulos de campeão brasileiro universitário; melhor jogador do Espírito Santo por quatro vezes consecutivas; vice-campeão brasileiro na modalidade 4×4 pelo Náutico; terceiro colocado no Campeonato Brasileiro de Futevôlei; quarto colocado no mundial 4×4 pela seleção brasileira e quarto colocado na Liga Nacional de Futevôlei pelo Atlético Mineiro.

“Depois de anos morando ao lado do meu vizinho que ele foi vagamente me reconhecer ‘pô, eu acho que te vi no SporTV’ e, tipo, nem sabia quem exatamente eu era”. Fora da invisibilidade do Espírito Santo, Rodrigo Lacraia é considerado rei por onde passa, já que o atleta se tornou responsável por elevar a prática do Futevôlei ao nível profissional e ainda tornar o Brasil referência neste esporte.

Ainda neste mês, paralelo a Copa do Mundo 2014, Rodrigo Lacraia disputou o Footvolley Polish Open 2014, realizado na Polônia, pela Seleção Brasileira. Consagrou-se tricampeão mundial ao lado de seu parceiro, relâmpago, Hiltinho Melo. “Por conta de uma burocracia envolvendo a liberação de passagens internacionais para o Luciano de São Fidelis, meu parceiro oficial, o Hiltinho foi escolhido para ocupar o lugar dele. Mas, graças a Deus, deu tudo certo e trouxemos mais um título ao Brasil”, desabafa.

Ao lado do parceiro, relâmpago, Hiltinho Melo, Lacraia vence final contra Itália e traz mais um título ao Brasil no Futevôlei. Fotos: Divulgação

Ao lado do parceiro, relâmpago, Hiltinho Melo, Lacraia vence final contra Itália e traz mais um título ao Brasil no Futevôlei. Fotos: Divulgação

Mesmo com o sucesso da Copa do Mundo de Futebol, o público na Polônia não hesitou e participou efetivamente dos jogos do Aberto 2014. De acordo com Lacraia, a torcida na Europa era toda voltada para o Brasil e se fortaleceu após a eliminação histórica do nosso país no Futebol. “A responsabilidade de ganhar este Aberto foi muito maior. Precisávamos trazer essa alegria para o povo brasileiro”, comemorou.

Além da presença marcante do público, outra lembrança que marcou Rodrigo foi a veneração do público Europeu pelo seu trabalho. “Os dirigentes do Footvolley Polish Open 2014 me convidaram para dar uma palestra motivacional aos habitantes locais. Foi bonito ver como sou admirado e respeitado no meu esporte, além de saber que minha história e carreira são motivos de admiração para ajudar muitas pessoas mundo a fora”, conta Lacraia.

Futevôlei

O Futevôlei é uma mistura entre Futebol de Areia e Vôlei de Praia e tem como principal jogar, atualmente, Rodrigo Lacraia. Créditos:  Karen Vieira

O Futevôlei é uma mistura entre Futebol de Areia e Vôlei de Praia e tem como principal jogar, atualmente, Rodrigo Lacraia. Créditos: Karen Vieira

O futevôlei é um esporte tipicamente praiano, surgido na década de 70 nas praias de Peruíbe, litoral norte de São Paulo. Com a proibição do futebol na ditadura militar, a modalidade se espalhou em outras praias brasileiras, como as do Rio de Janeiro e Paraná. Nestes locais, principalmente em solo carioca, a prática se intensificou ao ponto de existir rivalidade entre as praias de Copacabana e Ipanema, no qual resultou nas primeiras regras do jogo.

A expansão da prática continuou extrapolando as fronteiras nacionais e, posteriormente, do continente Americano, no início da década de 90. Ainda neste período, a Europa e Ásia começaram a experimentar a modalidade, mais tarde culminando na massificação e força do futevôlei neles e também na América do Sul e Norte. A prática ganhou entidades reguladoras como a Federação Brasileira; Europeia e a Internacional.

Por ser um esporte que não possui contato físico com o adversário, Rodrigo Lacraia acredita que esse é o principal motivos da adesão das pessoas pelo esporte. Créditos: Karen Vieira

Por ser um esporte que não possui contato físico com o adversário, Rodrigo Lacraia acredita que esse é o principal motivos da adesão das pessoas pelo esporte. Créditos: Karen Vieira

Questionado sobre como o Futevôlei, um esporte tipicamente brasileiro, conseguiu extrapolar o território nacional, Rodrigo Lacraia é firme ao dizer que “o esporte é um dos mais seguros que existem, já que ele não possui contato físico com o adversário, resultando em menos lesões ao longo da carreira profissional”. Outro destaque importante para tornar o Futevôlei tão amado, segundo Lacraia, é que ele une as duas modalidades que se tornaram paixões mundiais nos circuitos de verão, o Futebol de Areia e o Vôlei de Praia, em único esporte.

“O que estamos mais esperando e desejando é o Futevôlei se tornar um esporte olímpico. Essa é a única coisa que falta para ele cair de vez nas graças do povo”, finaliza Lacraia.

Parcerias ilustres

A modalidade possui muitos adeptos, principalmente, os consagrados ou ex-jogadores de futebol. Lacraia já jogou com ou contra vários deles, incluindo: Romário, Aldair, Edilson Capetinha, Diego Souza, Léo Lima, Renato Gaúcho, entre outros. De acordo com

Rodrigo Lacraia acredita que falta pouco para o Futevôlei se tornar Olímpico. Créditos: Divulgação.

Rodrigo Lacraia acredita que falta pouco para o Futevôlei se tornar Olímpico. Créditos: Divulgação.

Lacraia, os atletas acreditam e lutam para a prática do Futevôlei crescer cada vez mais e se tornar paixão nacional, assim como o futebol e o vôlei. “Todos nós praticantes estamos esperando que na Olimpíada Rio 2016 aconteça uma partida de Futevôlei, no qual eu faça parte, para apresentarmos ao mundo essa modalidade. Falta pouco para nosso esporte tornar-se Olímpico”, conclui.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *