Share Button

Colaboração e amor pelo samba é a mistura perfeita para dar brilho ao carnaval capixaba

(Vanessa Ferrari) Elas atravessam o Sambão do Povo com muita vibração e felicidade, conquistam todas as classes e são responsáveis por dar vida ao carnaval de Vitória. Essas são as escolas de samba, que já fazem parte da cultura capixaba e sobrevivem, principalmente, da dedicação e do amor das comunidades.

Surgidas das pequenas batucadas que animavam os subúrbios de Vitória, as escolas de samba sempre tiveram participação massiva da sociedade na construção do desfile. De roupas a carros alegóricos, tudo é realizado pelas mãos de quem é apaixonado pelo samba e carrega a escola no coração.

A Secretaria de Turismo do Espírito Santo (Setur) investiu, este ano, mais de R$1,8 milhão nas escolas de samba e R$ 5 milhões na reforma do Sambão do Povo. O valor de R$ 1,8 milhão é passado, por meio de convênio, para a Liga das Escolas de Samba do Espírito Santo (Lieses) em forma de carta de créditos para compra de material. A Lieses repassa a verba para cada escola de samba de acordo com o grupo que elas se apresentam.

Entretanto, não são todas as escolas que recebem o incentivo financeiro da Liga. A escola Chega Mais, por exemplo, com sede no Morro do Quadro, em Vitória, vai participar do carnaval capixaba pelo segundo ano consecutivo e não tem apoio financeiro para isso. “O carnaval une a comunidade e desta união sai a vontade de que, mesmo sem dinheiro, a escola desfile e apresente o que tem de melhor”, conta o diretor da escola, Ivenilton Júnior.

O presidente da Lieses, Rogério Sarmento, disse que existe um estatuto que define os valores que serão repassados para as escolas. Escolas do Grupo A recebem mais que as do Grupo B e as do Acesso só recebem a partir do terceiro ano de participação. “Não passamos dinheiro para as escolas iniciantes porque temos que avaliar a capacidade destas se manterem no carnaval. Esses dois anos são de teste, só consegue se filiar aquela que apresenta organização para isso”.

foto 4

O domingo (16) foi de muito samba e feijoada para a comunidade da Chega Mais.

De acordo com Júnior, a Chega Mais, que é do grupo de Acesso, participará do desfile de 2014 graças às parcerias, à colaboração de amigos e ao dinheiro arrecadado nos ensaios e nas famosas feijoadas. “Para uma escola que não tem grana, a colaboração é fator determinante para conseguirmos entrar na avenida”, disse.

Outro incentivo para desfilar é a possível classificação. A vencedora do grupo de Acesso se classifica para o carnaval e no próximo ano desfila no grupo B; e a vencedora do grupo B desfila no Grupo A. A escola que sobe do Acesso para o Grupo B começa a receber investimentos.

A escola Unidos do Jucutuquara já participa do carnaval capixaba há 28 anos. Ela, por ser do Grupo A, recebe verba para custear os materiais. Luiz Fernando Barbosa Santos é integrante do Conselho Deliberativo da Jucutuquara e diz que a escola recebeu investimentos, mas não foram suficientes. “Em 2013, recebemos cerca de R$ 110 mil da Lieses, mas esse valor ainda não é suficiente, gastamos em torno de R$ 500 mil”, conta.

DSC00236

Os ensaios da Unidos de Jucutuquara são uma das formas de custear os gastos com o carnaval.

Na Jucutuquara, a maior parte do dinheiro vem por meio de ensaios, vendas de cerveja, shows nacionais realizados nas comunidades e por meio de parcerias. Segundo Luiz Fernando, a escola sempre tenta conseguir dinheiro com a Lei Rouanet, de incentivo à cultura, mas “o setor empresarial do Estado ainda não entendeu que o samba faz parte da nossa cultura”, disse.

A Lei Rouanet consiste numa política de incentivos fiscais que possibilita aos cidadãos ou empresas aplicarem o imposto de renda devido em  repassarem atividades culturais. O Ministério da Cultura libera cerca de R$ 70 mil, mas a escola dificilmente consegue trocar os bônus obtidos por meio da Lei Rouanet.

De acordo com a Setur, o investimento aumenta a cada ano e é a Lieses quem decide o que fazer com o valor. Em 2011, o total repassado foi de apenas R$ 850 mil, enquanto em 2014 é de R$ 1.850. Segundo o Secretário, Alexandre Passos, “o Governo do ES vem investindo pois o carnaval capixaba já se consolida como um dos maiores eventos e atrativos turísticos. Esperamos que este ano as escolas proporcionem um grande espetáculo, afinal, o carnaval do Brasil começa aqui”.

O carnaval de 2014

O Carnaval Capixaba acontece uma semana antes do carnaval nacional. Este ano, os desfiles acontecerão nos dias 20, 21 e22 de fevereiro, no Sambão do Povo, em Vitória. No primeiro dia de desfile, quinta-feira (20), é a vez das escolas do Grupo de Acesso. São elas: Chega Mais, Chegou o que Faltava, Rosas de Ouro e Tradição Serrana. Na sexta-feira, segundo dia, quem desfila são as escolas do Grupo B: Barreiros, São Torquatro, Novo Império, Imperatriz do Forte e Andaraí. No sábado, o carnaval capixaba tem cobertura nacional e apresenta as principais escolas do Estado. É a vez do Grupo A atravessar a avenida com as escolas Unidos do Jucutuquara, Piedade, Boa Vista, Pega no Samba e MUG.

 

 

 

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *