Share Button

Um montante de R$ 13,5 milhões será disponibilizado para 40 empresas que possuírem ideias inovadoras no setor técnológico

(Fernando Correia) As micro e pequenas empresas que detêm boas ideias terão uma excelente chance para colocá-las em prática. Está disponível, no Espírito Santo, uma oportunidade para apoio financeiro, não reembolsável, para empresas com foco em inovação tecnológica. A ação é feita através do programa Tecnova-ES, uma parceria da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (Fapes) e A Agência Brasileira de Inovação (Finep).

Serão apoiados projetos de inovação, focando os setores de tecnologia da informação e comunicação, energias alternativas, petróleo e gás, agroindústria, metal-mecânico, logística, biotecnologia e meio ambiente.

Como vai funcionar?

A empresa deve apresentar o projeto, que será julgado por uma comissão formada pela Fapes, avaliará a qualidade e a viabilidade do projeto. O valor disponível para investimento é de R$ 13,5 milhões, sendo R$ 9 milhões da Finep e R$ 4,5 milhões da Fapes. Serão 40 projetos aprovados. O recurso disponível para a empresa vai variar de R$180 mil a R$ 400 mil.

A proposta poderá ser enviada até o dia 28 de fevereiro. O edital completo pode ser encontrado no endereço:
http://www.fapes.es.gov.br/download/Edital_FAPES_FINEP_13_2013_TECNOVA_.pdf

tecnova

Caso de sucesso

A evolução dos videogames ao longo dos anos trouxeram consigo uma nova utilidade para ele. Hoje em dia, seu desenvolvimento não tem como base apenas o entretenimento. Jogos para perda de peso, ensino de instrumentos musicais, entre outros, entraram de vez no setor.

Iniciado no final de 2012, pela empresa capixaba Interama, o Physiojoy é um game criado para ajudar na fisioterapia de pessoas em reabilitação física. Por meio de um sensor de videogame chamado “Kinect”, que capta os movimentos, o game contribui para a recuperação fisioterapêutica de forma dinâmica e divertida.

Envolvendo um grupo de fisioterapeutas, programadores e artistas gráficos, o Physiojoy foi contemplado, em 2013, pelo edital do TecNova, o que tornou possível o desenvolvimento do jogo. “O recurso de R$ 240 mil que nos foi disponibilizado através da Fapes deu a possibilidade real de tirar o projeto do planejamento e levá-lo à execução”, conta Luis Gerosa, diretor executivo da Interama.

A ideia da equipe é a criação de quatro jogos: para marcha e equilíbrio, cognição e memória, braços e outro específico para cadeirantes. Em fase de desenvolvimento, o projeto ainda não tem previsão de término.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *