Share Button

Jovem violinista e amante da música. Durante um período de sua vida resolveu seguir outra área, mas sua paixão falou mais alto e agora está imerso no universo musical.

Inglydy Rodrigues – O clima parecia não o incomodar, apesar de estar marcando quase 37 graus na capital, em plena primavera. Com um olhar tímido atrás dos óculos, só de meias nos pés, mantinha os sapatos acomodados no chão, bem no final da mesa. Estava confiante e orgulhoso por contar um pouco de seu percurso. Sua voz estava firme e altiva, mas as mãos entregavam um pouco do nervosismo ao segurarem firme uma à outra e apertarem os dedos que já estavam  vermelhos.

Evandro Marendaz Pinheiro Alves, de 26 anos, é bacharel em violino e está cursando Licenciatura em música pela Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames). Seu envolvimento com essa arte teve início aos 12 anos de idade com aulas particulares e por frequentar ambientes musicais como a Igreja, que para ele é um ambiente muito propício para a musicalização. Além de ter crescido em um ambiente familiar que ouvia boas canções, como o jazz e a bossa nova, mesmo não tendo nenhum músico formado na família, contribuiu grandemente para sua formação.

Carioca, embora afirme ser capixaba, explica não saber dizer o que é a música, pois é algo que não consegue viver sem, que passa o dia todo pensando no assunto e no fim é tudo para ele. Evandro afirma com calor na voz “ a música é a minha arte”.

Aos 14 anos, entrou na Fames para realizar o curso básico em violino e desde então só parou para prestar vestibular para Psicologia. Contudo, após iniciar o ensino superior resolveu desistir da graduação e seguir seus sonhos. Afirma com exatidão que ser músico exige muita dedicação, muito estudo, e, isso não é apenas para o Estado do Espírito Santo, mas em qualquer lugar é preciso aplicar-se ao instrumento e tocar em vários grupos e orquestras de diversas formações musicais para contribuir na formação e repertório de quem estuda.

Seu principal meio de renda é a Coordenação de música na Escola Técnica Municipal de Teatro, Dança e Música (Fafi ), mas ele também dá aulas particulares de violino, e, é integrante da equipe de músicos da empresa de casamento de Vitória, Sonatha, onde quase todos os finais de semana participa de um ou dois casamentos.

Evandro diz que o ramo do matrimônio é uma boa área de atuação para músicos, pois Vitória é a segunda capital onde mais pessoas casam, além de ser referência nacional em produções de eventos corporativos e conjugais. Outro modo de apresentar seu trabalho é com as leis de incentivo à cultura, pois o Estado é pequeno e o mercado é um tanto restrito, pois existem grupos que dominam o cenário, então para àqueles que estão aqui há pouco tempo apresentar seu trabalho é complicado, diz receoso.

Ao longo de sua vida artística passou por gêneros como o choro, o samba, a bossa nova e a eletrônica. Integrante do Grupo de Choro, Regional Tião de Oliveira, desde 2008, e do Grupo de Tango Trio Dell Plata, desde o início desse ano (2013), participa de várias ações que envolvem música.

O músico, por dois anos seguidos, passou por todo o Estado fazendo apresentações em dois grupos diferentes. O primerio foi em 2011 com o Grupo de Choro e o segundo, em 2012, com o Quarteto de Cordas da Cidade de Vitória. E as apresentações não param, no fim desse ano ele começará apresentar em Vila Vilha shows pela lei de incentivo da Cidade.

Evandro começou tocar violino aos 12 anos de idade.

A música no ES

Em outros estados existem os públicos específicos que vão ao teatro e consomem músicas eruditas, que pagam para ver as orquestras e os grupos de espetáculo, entretanto aqui no estado esse público é pequeno. Evandro ressalta que para mudar esse quadro é preciso sair do teatro e ir para onde o povo está, para que as pessoas comecem a enxergar a música erudita não como um estilo de música inalcançável, ou muitas vezes chata, mas que possam se habituar a esse estilo musical.

Isso pode ser alcançado com a obrigatoriedade do ensino musical nas escolas. Mesmo que esses alunos não se tornem profissionais da música eles vão ser bons ouvintes, eles vão saber como ouvir música e saber se comportar em um teatro, lembra Evandro. 

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *