Para além de Hollywood

Share Button

[h4]Vitória recebe uma Sessão com filmes fora do circuito Hollywoodiano e que não tem prazo definido para acabar.[/h4]

Por Raysa Calegari e Polânia Sôares

Em agosto desse ano o Cine Jardins recebeu pela primeira vez a Sessão Lumière, projeto inventado pela própria organização do cinema com apoio da Proeng S.A. Na sessão são exibidos de países diferentes, diversos nos temas e também na forma de se fazer cinema, afirma Talmon da Silva Fonseca Júnior, gerente e programador, trabalhando há 05 anos no Cine Jardins.

A sessão foi idealizada porque a direção do cinema viu necessidade de dar acesso às pessoas a obras cinematográficas de diferentes lugares mais incomuns ao que a maior parte da população está acostumada. Ele completa dizendo que a intenção é mostrar às pessoas que se faz cinema em todo o mundo e com boa qualidade e que em Vitória é possível sim encontrar filmes que não façam parte do mundo Hollywoodiano.

Para ele quando se exibe filmes de outros países mostra-se a visão que o cineasta tem de seu próprio país. “A gente tem uma imagem criada de vários países, mas podemos ter uma outra visão do país através do cinema”, diz. A época dos filmes exibidos é democrática sendo obras gravadas desde a década de 70 até mais atuais.

Assim como as obras, o público das sessões também é bastante democrático : “o perfil das pessoas que assistem a sessão vai desde 20 até 90 anos”, afirma Talmon. Hebert Silva, 23 anos, estudante de História gosta de filmes de todos os gêneros, diz não ter preconceitos em relação a estilos cinematográficos, mas confessa ter “uma fissura” por terror psicológico, em especial os do Roman Polanski e do Alfred Hitchcock.

Ele se interessou pela sessão principalmente porque o festival traz filmes aos quais não se tem a oportunidade de assistir nas sessões convencionais de cinema em Vitória. Para as próximas ele espera que o alto nível da sessão anterior seja mantida como foi a primeira

O primeiro filme a ser exibido na sessão foi uma comédia israelense cheia de reflexões chamada “A Banda”, do roteirista e diretor praticamente estreante Eran Kolirin.

Próxima sessão

A sessão  realizada no dia 10 de setembro , às 21 horas: Morango E Chocolate, dos diretores cubanos Tomás Gutierrez Alea e Juan Carlos Tabio.

Morango e Chocolate, 1994
Morango e Chocolate, 1994

A película é e 1994 e venceu o Urso De Prata de Prêmio Especial do Júri e Melhor Filme no Festival de Berlim de 1994. Recebeu também o prêmio Goya de Melhor Filme Estrangeiro em filme de língua espanhola. Prêmio de audiência, melhor ator (Vladimir Cruz e Jorge Perugorria), melhor filme latino, melhor atriz coadjuvante (Mirta Ibarra) e premio da critica no Festival de Gramado. Concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

A entrada da Sessão Lumière é Gratuita e os ingressos poderão ser retirados a partir das 14 horas do dia 10 de setembro, dia da exibição do filme, na bilheteria do cinema.

Deixe uma resposta