Hype: Um revista cosmopolita, sem esquecer as raízes

Share Button

[h4]Ela nasceu como um projeto de conclusão de curso (TCC). Mas ao longo dos 10 anos de existência completados em 2013, a publicação já alcançou tanta notoriedade que é uma das revistas mais conhecidas feitas por aqui. [/h4]

(Jhones Corbellari) Apesar de ser reconhecida como uma publicação que fala de moda, a Hype é muito mais do que isso. Ela é uma revista de variedades. E isso fica muito evidente quando se folheia a revista. Nela, além de moda, há diversos assuntos como cultura, viagens, comportamento, entrevistas e vários colunistas que falam desde saúde até gastronomia.

Idealizador do projeto, Tiago Feliz conta como tudo aconteceu: “me formei em Marketing na Universidade de Vila Velha (UVV) em 2003. Como já trabalhava com venda de anúncios, resolvi criar a Hype como um projeto de TCC. Chamei minha mãe (a jornalista Betty Feliz) e ela me ajudou com a parte do conteúdo”.

Especial: Moda
Hype: Um revista cosmopolita, sem esquecer as raízes
Quem faz dos modelos o que eles são?

Betty, aliás, cuida do conteúdo da revista desde o início e é sua editora desde então. “Editar a Hype é uma delícia, mas também um desafio permanente. Estou sempre de prontidão, acordando e dormindo pensando em uma nova pauta ou abordagem. Acompanho par e passo todas as etapas do processo, da escolha dos assuntos à seleção das fotos, sem tirar o olho do design, contribuindo com o trabalho de diagramação”, conta ela sobre o trabalho de editora da revista.

A revista, que hoje é bimensal, conta com uma tiragem de cerca de 8 mil exemplares, além de manter um portal na internet que é atualizado diariamente.

Sobre o fato de ser reconhecida como uma publicação de moda, Tiago conta que o fato se deve à escassez deste tipo de publicação no Espírito Santo. “Como utilizamos sempre uma modelo na capa, talvez este fato contribua para esse reconhecimento”, conta ele, que volta e meia frisa que se trata de uma revista de variedades.

E a Hype, mesmo sendo produzida aqui, está longe de ser uma revista local. Além de ser distribuída para o Brasil inteiro, ela abrange assuntos que não se limitam apenas ao conteúdo daqui do Espírito Santo. “Quando idealizei a revista, queria algo que pudesse ser lido em todos os cantos do Brasil, que qualquer pessoa que abrisse a revista, independente de onde estivesse, conseguisse assimilar todo o conteúdo”, conta Tiago.Hype

“Além disso, sempre me preocupei com conteúdo. Não queria que ela virasse uma revista que falasse apenas de pessoas, ou que fossem matérias compradas. Nosso foco é o conteúdo”, enfatiza.

Mas isso não impede que a revista dê uma impulsionada nos assuntos locais. Os editoriais, por exemplo, são inéditos, pensados por Betty e sempre com modelos daqui. “Procuramos valorizar e dar uma impulsionada na moda local”, conta.

Outro fator que chama atenção, como conta sua editora, é que a Hype, além da família Feliz (Tiago faz a parte de comercialização, seu irmão cuida do administrativo e sua mãe – Betty -, do conteúdo) conta com diversos colaboradores, que vão desde jornalistas, médicos a pessoas ligadas à moda. “A revista recebe muitos pedidos de pessoas querendo colaborar. Isso é uma maravilha. Assim, podemos falar dos assuntos mais variados e levar ao leitor conteúdo de qualidade. Todos os colunistas são escolhidos minuciosamente por mim”, termina Betty. 

Prêmio Hype

Apesar de ser uma publicação de variedade, a Hype sabe que tem prestígio na moda. Para impulsionar o mercado e valorizar os profissionais da área, desde 2009 a revista concede, anualmente, o Prêmio Hype. Como conta sua editora, Betty Feliz, “este é um projeto que nasceu na segunda edição do Vitória Moda com o objetivo de valorizar e conferir visibilidade aos talentos e às marcas capixabas”.

Algumas das categorias são escolhidas pela equipe Hype, enquanto outras são votadas no Vitória Moda, por profissionais especializados na área de moda, como fotógrafos e jornalistas. “A nossa vontade sempre foi fazer um prêmio pautado pela isenção e pela credibilidade, atribuídas à forma clara e profissional com que seu corpo de jurados elegesse os vencedores. Foi assim que criamos o Prêmio Hype e queremos mantê-lo sempre”, lembra Betty.

No decorrer destes anos o prêmio saltou de cinco para dez categorias, distinguidas com os troféus assinados pela Oficina de Ideias Ana Paula Castro. O Prêmio Hype distingue marcas, modelos, fotógrafos, desfiles, personalidades e projetos sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *