Share Button

Nem toda nova empresa pode ser considerada um Start-Up. Descubra as peculiaridades deste tipo de empreendimento.

Carina Couto e Polânia Sôares – Google, Apple e Flickr são exemplos famosos de Start-Ups que deram certo. Mas afinal de contas o que vem a ser Start-Up? Embora você já possa ter ouvido falar desse termo por ai, poucos sabem realmente o seu significado.

O termo começou a ser utilizado na década de 1990 para designar companhias da internet que surgiam nos Estados Unidos. Porém, atualmente a palavra abrange uma vasta área, não se restringindo somente à internet.

Especial: Coletivos
Coletivos levantam bandeiras e lutam por políticas públicas
Economia Criativa: afinal, como os coletivos culturais se colocam no mercado?
Especial: start-Ups 2.0 estão dominando o mercado

Para algumas pessoas, empresas Start-Ups são modelos de empreendimentos que ainda estão em fase de implementação e crescimento no mercado. Já outros defendem que uma empresa que se enquadra nesses moldes são aquelas com custos de manutenção baixos, mas com a capacidade de crescimento rápido gerando lucros cada vez maiores.

Entretanto, uma terceira definição parece agradar a gregos e troianos: um Start-Up é um grupo de pessoas em busca de ideias inovadoras e rentáveis trabalhando em condições de extrema incerteza.

Para obter sucesso num mercado cheio de surpresas é preciso uma dose de coragem para se arriscar.  “Tem que correr atrás e ter muita persistência e não ter medo de apostar em ideias inovadoras”, afirma o designer gráfico Marcus Vinicius Batista Vitorino.

Marcus Vinicius, 23 anos, já possui a sua própria empresa há mais de um ano. Inicialmente, o designer realizava seus trabalhos e o contato com os clientes apenas virtualmente, mas com o aumento da demanda, hoje ele já conta com o seu próprio escritório em casa.

Ele explica que encontrou uma deficiência neste tipo de mercado no Espírito Santo e por isso resolveu investir no ramo. “Embora existam muitas pessoas realizando este tipo de trabalho no Estado, percebi que ainda há falta de pessoas qualificadas no ramo”, conta.

Segundo Macus, a experiência de tocar seu próprio negócio é positiva tanto financeiramente quanto profissionalmente. “É muito importante o empreendedor buscar oferecer serviços cada vez mais personalizados, pois é isso que vai ser o seu diferencial dos demais. É muito gratificante ver o seu esforço ser recompensado no final do dia, é isso que vale a pena”, conclui Marcus Vinicius.

IMG_4207

Ambiente de trabalho da Start You Up Accelerator

Os empreendedores do Espírito Santo contam hoje com a Start You Up Accelerator, a primeira aceleradora de Start-Ups do Estado que promove  treinamentos para que as empresas possam atingir seus objetivos em tempo hábil.

A coorporação possui hoje parceria com diversas instituições do Estado como a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Aiesec, Rede Gazeta, Wine, entre outras.

O estrategista da Start You Up Accelerator, Fernando Soneguetti acredita que a existência de um segmento de startups melhora consideravelmente o ecossistema de tecnologia da região. “Desta forma  criam-se e distribui-se uma nova gama de recursos, profissionaliza o mercado, gera empregos de alto nível e, em maior escala, constitui a base de um nicho de economia, como é o caso de locais como o Vale do Silício, nos EUA”, explica.
Fernando ainda afirma que este modelo de negócio tende a crescer em um ritmo acelerado. “Talvez a melhor forma de empreender em alto nível, hoje, é via o modelo de start.up, assim é natural e esperado que esse modelo seja cada vez mais adotado por novos negócios”, diz.

Começando a sua Start-Up

Antes de tudo é preciso ter em mente uma ideia inovadora de produto ou serviço e, claro, estar em dia com as obrigações burocráticas de uma microempresa como ter um CNPJ.

Entretanto, para que a ideia saia da cabeça e vire realidade é necessário um investimento inicial em dinheiro. Existem diversas formas de se conseguir o financiamento em bancos, empresas ou pessoas dispostas a apostar em seu serviço.

Também existem fundos e financiadores que abrem editais de incentivos como o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Agência Brasileira de Inovação, entre outros.

Além disso, o microempreendedor também pode contar com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) que oferecem o suporte necessário a quem está começando.

Depois de colocar em ordem as burocracias é hora de arregaçar as mangas e correr atrás do objetivo sem medo de se arriscar, mas claro tendo foco aonde se quer chegar.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *