Share Button

(Ayanne Karoline, Juliana Borges e Thaynara Lebarchi)

Para mostrar que o Espírito Santo tem talento no quesito cinema, e pretende apresentá-lo ao Brasil e mundo, o Festival de Cinema de Vitória – Vitória Cine Vídeo (VCV) está melhor do que nunca em 2013. No ano que completa duas décadas de realização serão exibidos apenas filmes inéditos no Espírito Santo pela Mostra Competitiva Foco Capixaba, ou seja, que não tenham sido selecionados em outros festivais e mostras do estado ou exibidos comercialmente.

Com a novidade, o festival privilegia os curtas-metragens produzidos no Espírito Santo, que ainda serão lançados no cenário nacional. Para os capixabas que pretendem participar, as inscrições estarão abertas a partir de julho, onde serão aceitos filmes finalizados em 2012 ou 2013.

Em comemoração aos 20 anos do Vitória Cine Vídeo, uma mostra especial irá exibir uma seleção de curtas-metragens das edições anteriores do festival, em sessões diárias. A Mostra Retrospectiva 20 Anos do VCV reunirá filmes que marcaram o momento do cinema brasileiro, foram sucesso de crítica e que são lembrados até hoje.

Com a Copa do Mundo no Brasil se aproximando, o festival proporcionará ao público uma mostra temática que traz a cultura do futebol como protagonista. Se nos campos o resultado não tem sido tão animador, nas telonas do VCV promete arrasar. A Mostra Cine Foot exibirá uma seleção de filmes em curta e longa-metragem com temática do futebol, colocando o festival em sintonia com o clima da Copa do Mundo de 2014 que acontecerá no Brasil.

A exemplo dos anos anteriores, o Festival continua com a Mostra competitiva Nacional de Curtas e de Longas-metragens, a Mostra Corsária, a Quatro Estações, o Festivalzinho e os Concursos de Roteiro Capixaba e de Mídias Alternativas, além do lançamento de longas-metragens nacionais e as aguardadas homenagens a uma personalidade do cinema nacional e uma do cinema capixaba.

Talento capixaba

Nascido em Vila Velha e formado em Artes Plásticas pela Ufes, em 2011, Raphael Genuino de Araújo já faturou uma premiação no Vitória Cine Vídeo. Como autor e diretor do curta-metragem “Confinópolis – A Terra dos Sem Chave”, recebeu o prêmio “Foco Capixaba – Troféu Marlin Azul” no festival. “O VCV é o maior festival de cinema do estado. Participar e ganhar como melhor curta capixaba é importante para o reconhecimento do trabalho. Mais pessoas se interessam pelo que você faz”, afirma Raphael.

Troféu recebido por Raphael Araújo, no Vitória Cine Video

Troféu recebido por Raphael Araújo, no Vitória Cine Video

Mesmo com um festival de qualidade como o VCV, para o capixaba, a produção de cinema no Espírito Santo ainda é frágil e está começando a despontar. “Eu enxergo o cenário do estado ainda embrionário, mas em ascensão. Falta ainda uma maior profissionalização do setor, escolas, um centro de formação, lugares de exibição, festivais, empresas especializadas, intercâmbio entre profissionais de outros estados”,  assinala.

Com muitas premiações, Raphael conta que suas diversas influências, partindo dos desenhos animados da televisão (final dos anos 80 e início dos 90), passando por seriados japoneses, quadrinhos e filmes da época, até chegar ao rock, skate e punk, que o influenciaram completamente, tanto pela estética quanto pela filosofia e estilo. “Através das artes e artistas relacionados ao punk, como Gee Vaucher, Jamie Reid, Winston Smith, Raymond Pattibon e Bob Gruen, conheci um pouco mais sobre a arte e seu mundo. Me identifiquei e vi neles e no que faziam algo bonito, importante, acessível, direto, agressivo. Na faculdade me aprofundei nos estudos sobre movimentos artísticos e logo vi que tudo estava relacionado”, lembra.

O capixaba fez algumas exposições coletivas, participou de residência artística voltada para pintura e ganhou alguns concursos. Desenvolve trabalho com fotografia, desenho, pintura e vídeo. Foi contemplado com a Bolsa ateliê de Pintura da Secretaria de Cultura do ES, em 2010, e premiado com o primeiro lugar no V Salão de artes Levino Fanzeres, em Cachoeiro de Itapemirim, em 2010.

Confinópolis: O filme que rendeu o prêmio

Confinópolis é um curta com base política de primeira grandeza, que teoriza sobre um povo que se deixa governar por um tirano. Em lugar fictício onde as criaturas possuem uma fechadura no lugar do rosto e todos têm a esperança de que a salvação virá na figura de uma chave. Essa é a deixa para que Raphael teorize sobre a manipulação política, sobre a televisão e sobre como as ações individuais podem fazer a diferença em uma sociedade.

CENA DE CONFINOPOLIS

Cena do filme “Confinópolis”

 

A ideia é que, quem fica em silêncio concorda com as atrocidades cometidas por políticos, religiosos, militares e imprensa, que sempre caminham de mãos dadas pelo “jardim da tirania”.

O curta contou com o apoio de muitas figurinhas capixabas de Vitória e Vila Velha, como o ator e músico Fonzo Squizzo, Alex Vieira (editor da Revista Prego), Guidom Imbroisi (músico) e o maquiador Alexandre Brunoro.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *