“Pontos da Arte”: reflexão, beleza e arte urbana nas ruas de Vitória

Share Button

176019_10152200450390637_972616292_o

(Jhones Corbellari e Juliana Mota)

Uma polêmica tomou conta das redes sociais no dia 27 de fevereiro. A limpeza realizada pela Prefeitura de Vitória em um ponto de ônibus contemplado pelo projeto Pontos da Arte foi alvo de crítica e revolta. Artistas de diversos segmentos utilizaram a internet para expor suas opiniões sobre o caso.

“Foi uma falta de respeito, não só comigo, mas com todos os artistas envolvidos no projeto, pois ninguém se preocupou em saber do que aquelas pinturas se tratavam”, disse a idealizadora do projeto, a estudante de Arquitetura Maiara Dias.

limpezaApesar de estar autorizada pela Prefeitura, a pintura foi “limpa” sob a justificativa do ponto de ônibus já estar muito danificado com cartazes e pichações.

Segundo a grafiteira Narayana Teles Caetano, a arte de rua é importante para a população, sendo autorizada ou não. “Essa arte é um meio de expressão legitima. O discurso de depredação do espaço é uma falácia, pois o artista não agride nenhum muro”, afirmou ela.

Segundo a Prefeitura, a limpeza da arte foi um caso isolado e só aconteceu porque ela já estava muito danificada. De acordo com o Secretário de Cultura da cidade, Alexandre Lima, a prefeitura já estava estudando formas de ampliar o projeto. Segundo ele serão feitas reuniões com os artistas para definir essa ampliação.

O começo

Há aproximadamente oito meses, quem passa por Vitória pode observar e admirar as intervenções artísticas feitas nos pontos de ônibus das ruas e avenidas mais movimentadas da cidade. Idealizado pela estudante Maiara Dias, o projeto “Pontos da Arte” nasceu do interesse que ela sempre teve por intervenções urbanas.

665973_10152266651300637_717454229_oAluna de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Espírito Santo, Maiara resolveu unir suas duas paixões: a arquitetura e a arte. “Estou sempre observando as cidades e suas peculiaridades, diante disso comecei a ter várias ideias ao observar o espaço urbano, e o projeto ‘Pontos da Arte’ foi uma dessas ideias”, afirmou.

Maiara tomou coragem e resolveu inscrever seu projeto no Rede Cultura Jovem, programa da Secretaria de Estado da Cultura do Espirito Santo (Secult) que tem como propósito fomentar projetos culturais de jovens artistas e de promover conexões e diálogos com outras iniciativas artísticas. “Não tive muito tempo para desenvolver o projeto, pois nem tinha certeza se iria lançá-lo, mas, por fim, enviei o texto sobre o projeto no último dia, e ele foi aprovado pelo Rede Cultura Jovem”.

Passado todo esse período de aprovação, chegou a hora de colocar a mão na massa, e tirar o projeto do papel. Inicialmente com o propósito de fazer 30 intervenções, o “Pontos da Arte” terminou com um saldo de 60 abrigos de ônibus pintados em toda a cidade de Vitória.325500_10152154238945637_966447515_o

Apesar de ter sido idealizado por Maiara, o projeto contou com a adesão de aproximadamente 50 artistas entre os quais dois eram de outros estados, Mônica Dias (BA) e Alessandro Grd (RJ), que vieram contribuir com a sua arte nas ruas de Vitória.

 

 

Do povo e para o povo: A arte para todos

644185_423303984371519_572066313_nMuito mais do que beleza, o projeto “Pontos da Arte” tem como objetivo trazer reflexão por meio da arte urbana, uma arte que dialoga diretamente com as pessoas, pois é criada pensada para estar nas ruas, não em museus, galerias ou espaços fechados. “Essa é a expressão que proporciona reflexão, movimento e cor ao espaço urbano, além de ter importante papel na democratização e divulgação da arte”, conclui Maiara.

O resultado do projeto é visto na satisfação da população que admira o que vê nas ruas. Um ambiente por onde as pessoas passam todos os dias,  que antes nem era notado, hoje está cheio de cores e vida. “Chegamos ao ponto de ônibus depois de um dia cansativo, e, com certeza, ver algo tão cheio de vida e bonito muda até o humor”, disse a funcionária pública Maria Eduarda Costa.

As reações são sempre as mais diversas, admiração, espanto, e às vezes até a incompreensão do que está desenhado. Independente de qual seja o efeito que a arte causa a quem a vê uma coisa é certa: o projeto está cumprindo seu objetivo: criar um espaço de convivência e trocas na cidade, um diálogo, seja ele por palavras ou desenhos.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *