Share Button

(João Carlos Fraga, Reuber Diir e Will Morais)

“Eu adoro ser monitor, porque conhecemos várias culturas, pessoas do Brasil e do mundo, de várias regiões, palavras novas, conceitos novos”. Esse é o relato do jovem Marciano Degásperi de Jesus, monitor do Projeto Visitar. A iniciativa é resultado da união entre a Prefeitura de Vitória e o Instituto Goia, com o objetivo de envolver os moradores de Vitória e turistas com o patrimônio do Centro Histórico, para preservar a memória da capital e do Espírito Santo.

A união entre poder público e organização não governamental para a criação do Projeto Visitar, que nasceu no ano de 2006, deu resultado. Para tanto, a intenção é retirar o nome “projeto”. Isso porque, segundo a assistente técnica do Instituto Goia, Soraia Costa, houve um estudo para reposicionamento da marca realizado pela Secretaria Municipal de Turismo. Viu-se que o Visitar já está bastante consolidado, não sendo necessário mais ostentar o título de projeto.

O Visitar conta com 16 monitores que se revezam entre sete monumentos históricos. São eles, a Capela de Santa Luzia e a Catedral Metropolitana; as Igrejas de São Gonçalo, do Carmo e do Rosário; o Convento de São Francisco e o Teatro Carlos Gomes. Esses monitores contam mais do que a história da construção dos edifícios históricos. De acordo com Magna Nascimento de Oliveira, monitora do projeto, eles contam também a história do Espírito Santo e um pouquinho do passado do Brasil.

Os monitores do Visitar são treinados pelo próprio instituto Goia, na Escola Multidisciplinar Profissionalizante de Artes e Ofícios (Empao). Durante 11 meses, esses jovens estudam história e adquirem noções de carpintaria e arquitetura, em disciplinas como sistemas construtivos, segurança do trabalho, teorias e técnicas de restauro, desenho e observação, oficina de pedreiro, dentre outras. Nos últimos 3 meses de aprendizado, os estudantes podem optar por trabalhar no Visitar, ou se dedicar ao restauro. No final do curso, todos tem a formação de restauradores.

Todos esses jovens profissionais, monitores ou restauradores, têm uma relação bem individual com cada monumento. Magna Nascimento conta que além de gostar de história, ela também tem um relação com os patrimônios históricos de Vitória bem especial. “Quando a gente está aqui, no monumento, imaginamos como foi construído, construções de pedras tão altas, como era a tecnologia, os apetrechos que eles usavam na época. (…) Isso é muito importante e muito especial”.

Leia mais:

Centro de Vitória: viagem entre símbolos da capital

Igrejas da Capital: fortes militares, rivalidade e lugares de fé

 

Vídeo com os depoimentos de dois monitores do Visitar

Marciano Degásperi – Monitor do Projeto Visitar

Magna Nascimento – Monitora do Projeto Visitar

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *