Os ensinamentos de Gean Pierre

Share Button

(Michelle Terra)

Foi em uma pequena sala de aula na Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) que o compositor, arranjador, produtor, professor de música e de matemática Gean Pierre nos recebeu. Vestido com camiseta e bermuda, saiu de sua casa para nos atender em um dos seus ambientes de trabalho. Natural de Marataízes, vive em Vitória desde os 18 anos. Agora, aos 43 anos, lança o livro “Música e Matemática na Educação”, envolvendo suas duas facetas no ensino de ambas as matérias. Com um disco já gravado, está trabalhando em seu próximo CD. Confira o registro de nossa conversa.

Como começou sua carreira?

Tudo começou quando minha mãe me deu um violão. Inicialmente, fui autodidata, tocando na igreja. Somente quando mudei para Vitória que tive aulas particulares, e o meu professor me indicou para a Orquestra da Escola Técnica – a atual Pop Jazz.

Como define seu estilo musical?

Minha formação (e com a qual me identifico mais) é como instrumentista de jazz. Porém, sou muito influenciado por MPB, Bossa Nova, Rock. Cheguei a participar de uma banda de rock, a Lordose, que fez algum sucesso na época.

Quem são seus ídolos na música e na matemática?

Na Matemática, Pitágoras e Oscar Abdonur, que é meu orientador no doutorado e cujo livro inspirou o meu. É meu ídolo e meu amigo. Na Música, são os astros de antigamente: Fred Hubbard, Pat Metheny e, claro, Miles Davis. No Brasil, Guinga e Tom Jobim.

Se pudesse fazer uma parceria com qualquer pessoa, quem seria e por quê?

Fácil: Miles Davis. Ele é o cara.

Você toca violão e guitarra. Toca mais algum instrumento?

Toco baixo também, mas meu favorito é mesmo a guitarra.

Quantas apresentações faz por mês? Houve alguma que te marcou mais?

Tenho dois projetos: o Gean Pierre Quarteto e o Fames Jazz Trio. Normalmente, faço duas apresentações por mês, em eventos, festivais. Antigamente tocava música ao vivo, mas hoje meu foco é outro. Os shows que me tocaram mais foram o que eu fiz no Festival de Jazz e Blues de Manguinhos e a abertura do show do Stanley Jordan.

Conte-me um pouco sobre como está sendo o processo de gravação de seu novo CD, e o que te inspirou para compor e fazer esse trabalho.

Vinte anos de carreira por si só já são uma inspiração, mas foi essa temporada em São Paulo, onde fui fazer meu doutorado, que foi o maior motivador, pois foi bom sair um pouco de Vitória, pensar melhor em tudo. Queria registrar minha experiência, fazer uma coisa bem autoral. Estamos terminando de gravar, e logo ele estará disponível, com uma arte do Wanderson Lopez na capa do disco, que se chamará Imagem.

Capa do Livro

De onde surgiu a ideia do livro?

Meu orientador escreveu um livro chamado “Música e Matemática”. Ele foi definitivamente uma inspiração para transformar minha dissertação em livro.

Quem você indica para ser o próximo entrevistado?

Eu sugiro o Carlos Papel ou o Jeremy Naud.

 

Para entrar em contato e conferir o trabalho de Gean Pierre, entre em contato pelo site do músico ou pelo seu MySpace.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *